A quarta narrativa da Semana Especial Abelhas vem de um povoado de Níger, na África, chamado Bossey Bangou.

Traduzi do francês a versão recolhida por François Clavel Gay durante uma plantação de baobás na vila de Bossey Bangou, em 08 de agosto de 2010.

A escrita em francês é em forma de verso, embora a leitura se pareça com a prosa.

Ao ler essa história, que você seja embalado pela copa desse baobá que protege as abelhas…

 

O Baobá e as Abelhas

 

No coração de Liptako

Em uma curva do rio Sirba

Muito perto da vila de Bossey Bangou

Um baobá estava triste e cansado…

 

O rei do Sahel*

Aquele cuja silhueta domina as terras e as areias,

Assiste, impotente, sua lenta agonia…

Já não nos sentamos mais a seus pés,

Para descansar, relaxar…

Aquele que era o símbolo da força e da sabedoria,

Aquele que foi considerado a memória da savana

No qual alguns homens sábios podiam se inspirar;

Este gigante tornou-se vítima daqueles que protegeu e alimentou…

 

No coração de Liptako

Em uma curva do rio Sirba

Muito perto da vila de Bossey Bangou

Um baobá estava triste e cansado…

 

Nos velhos tempos, os habitantes da savana eram poucos,

Eles viviam em harmonia com o ambiente,

As folhas de baobá eram conhecidas por seus sabores e virtudes,

Sua colheita fazia parte das tradições e de suas vidas,

E era feita com delicadeza e respeito…

Hoje a colheita se tornou exploração,

Não colhemos mais, nós rasgamos, folhas e ramos,

Ferindo os galhos e a árvore,

Ferindo o gigante de madeira frágil.

Sem folhas, ele não respira mais, não bebe mais sol,

Ele perde a maior parte de sua nutrição…

Menos flores, menos frutas, menos brotos

O fim da espécie parece inevitável…

 

No coração de Liptako

Em uma curva do rio Sirba

Muito perto da vila de Bossey Bangou

Um baobá estava triste e cansado…

 

A estação das chuvas acabou,

Os baobás de Liptako haviam sido privados várias vezes de suas folhas.

Um deles, bem enraizado perto da vila de Bossey Bangou,

Sacudiu seus galhos e raízes e enviou esta mensagem de esperança:

“Oh terra que nos alimenta a todos e nos apoia desde o início dos tempos,

Precisamos da sua ajuda, caso contrário desapareceremos…

No momento, não podemos mudar os humanos,

Eles estão perturbados e não entendem o que estão fazendo

A atração do ganho os fez perder seus valores profundos,

Eles romperam o contato com a natureza, as plantas e os animais…

Oh Terra, venha nos ajudar, venha me ajudar

Este é o grito que estou lançando,

Antes de entrar na minha dormência na estação seca… ”

 

No coração de Liptako

Em uma curva do rio Sirba

Muito perto da vila de Bossey Bangou

Um baobá estava triste e cansado…

 

À medida que os dias se alongavam,

O sol gradualmente despertava todas as plantas, todas as espécies,

Nosso grande baobá, apesar de sua idade, não pôde resistir ao chamado da primavera…

Ele lentamente pôs fim ao seu sono invernal,

Algo já lhe dizia que este ano seria diferente,

Ele estava convencido de que seu apelo havia sido ouvido…

Suas folhas começaram a florescer,

Mesmo prevendo qual seria o seu destino,

No entanto, ele tinha esperança…

 

No coração de Liptako

Em uma curva do rio Sirba

Muito perto da vila de Bossey Bangou

Um baobá estava triste e cansado…

 

Em um lindo dia de maio, enquanto admira sua vegetação,

Ele viu vindo em sua direção um enxame de abelhas e sua rainha,

Era um sinal?

Elas circundaram seu tronco enorme várias vezes,

Então a rainha parou e se dirigiu ao gigante nestes termos:

“Oh rei do Sahel, nós o saudamos muito humildemente,

Estamos à procura de um abrigo,

Percebemos logo abaixo dos seus primeiros ramos,

Uma cavidade bonita que seria perfeita para mim e minhas operárias,

Oh gigante da savana, você aceita nos acolher e nos proteger?”

 

Sensível a esse pedido, ele respondeu com toda a nobreza e sabedoria de sua espécie:

“Um rei não pode recusar hospitalidade a uma rainha e seus súditos,

Você é bem-vinda e é com prazer que eu a acolho

No interior desse velho tronco que me dá suporte…

Você vai me fazer companhia porque muitas vezes me sinto sozinho e desamparado…”

 

“Obrigada, Grande Sábio”, respondeu a rainha, “suas palavras refletem sua posição…

Em reconhecimento, vou instruir minhas abelhas

Para que assustem e cacem quem vier arrancar suas novas folhas,

Você será capaz de se desenvolver plenamente, como fazia antes,

Minhas operárias ficarão felizes em procurar suas flores e você dará muitos frutos…”

Com essas palavras, um ar de felicidade cruzou os ramos da árvore,

 

O Mestre local respondeu então

“Rainha, você é enviada pela Terra,

Vou carregá-la em meu coração enquanto você desejar,

Você me restitui a juventude e a esperança,

Vamos, instale-se como quiser, você está em casa…”

 

No coração de Liptako

Em uma curva do rio Sirba

Muito perto da vila de Bossey Bangou

Um baobá tornou-se alegre e cheio de esperança…

 

A colônia de abelhas tomou posse do local escolhido

E muito rapidamente todos restauraram suas funções habituais.

Após uma boa limpeza da cavidade,

As operárias começaram a construir os alvéolos,

E também saíam em busca de flores e pólen…

Seu anfitrião regozijou-se com esta atividade e sua companhia…

 

Um dia ele viu crianças se aproximando dele com sacolas,

Enquanto temia o pior, ele notou centenas de abelhas

Que se reuniram e se precipitaram contra os invasores…

Eles se salvaram sem persistir, o que provocou uma grande risada do gigante

Que se apressou em agradecer à rainha…

Houve muitos outros ataques de adultos, mas todos falharam,

O medo das abelhas era muito grande…

 

No coração de Liptako

Em uma curva do rio Sirba

Muito perto da vila de Bossey Bangou

Um baobá reencontrou sua juventude e sua natureza profunda…

 

Como a rainha havia dito,

Naquele ano, o baobá tinha folhas magníficas

Ele não perdeu nenhuma, as flores eram abundantes,

Assim como as frutas…

A árvore reencontrou sua juventude e suas funções ancestrais…

 

Desde aquela época,

No coração de Liptako

Em uma curva do rio Sirba

Muito perto da vila de Bossey Bangou

Um baobá é reconhecido pelos moradores

Como o baobá com as abelhas,

O único que dá frutos…

 

No coração de Liptako

Em uma curva do rio Sirba

Muito perto da vila de Bossey Bangou

Um baobá reencontrou sua juventude

Sua natureza profunda e suas funções…

 

Estes últimos fatos são reais, eles me foram relatados pelo chefe da vila de Bossey Bangou. Existe um baobá que dá frutos e protege uma colônia de abelhas. Essa história pertence às lendas do Sahel, que compartilho com você.

 

O baobá com abelhas

Majestoso e alto

Sobrepõe-se aos seus irmãos

Desfolhados…

 

Apenas seus primeiros

Os ramos podem ser tocados…

 

Os baobás no início do texto

São aqueles que não são

Protegidos…

 

 

*(Sahel – vem do árabe; significa “costa” ou “fronteira”. A região do Sahel é um cinturão da África de até mil quilômetros de largura, e se estende por 5 400 km desde o Oceano Atlântico até o Mar Vermelho).

 

História anterior:

Fábulas com Abelhas

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *