No post  “Como comemorar a Páscoa com as crianças?” mencionei várias dicas e sugestões do quê fazer no período anterior ao domingo de Páscoa. Deixei algumas receitinhas de Pão da Páscoa e prometi uma história sobre um coelho que era medroso. E que, depois que comeu o Pão da Páscoa, ficou com o coração corajoso!

 

Encontrei uma história sobre um coelho medroso em uma apostila antiga. Não sei quem a escreveu ou traduziu. E me inspirei nela para criar uma narrativa mais contemporânea e fluida na hora de contar, alterando algumas imagens e mantendo outras. E queria que fosse uma história para crianças pequenas ouvirem!

Espero que você goste!

 

O Coelho Coração-Valente

 

Queridas crianças, diziam que o coelho era tão medroso, que tinha medo de quem tinha medo! Assim aconteceu há 2000 anos.

O coelho era um verdadeiro medroso e tão apavorado, que até no sono conservava os olhos abertos, bem abertos, não se atrevendo jamais a dormir ou descansar de pálpebras cerradas. Queria estar sempre atento, mantendo bem abertos os seus olhos. Assim eram também as suas pernas, sempre treinadas e prontas para dar um pulo.

Esse coelho só gostava de brincar com outros coelhos que já conhecia e que moravam ali em seu vale. Todos os coelhos o queriam bem e brincavam com ele, pois conseguia se esconder como ninguém. Os outros o procuravam, mas ele conhecia os melhores esconderijos e ali se refugiava, mantendo-se em absoluto silêncio. Se os outros o encontravam, alegravam-se, tirando-o de sua toca e dançavam juntos!

Agora… era só encontrar um animal diferente e ele já corria para a sua toca ou para se esconder em algum de seus esconderijos! Tinha medo de qualquer animal que não fosse coelho: da águia no céu, dos passarinhos nos galhos das árvores, dos macacos que pulavam de uma árvore para outra e até da joaninha! Sentia um frio na barriga quando via qualquer animal que não tivesse pêlo fofinho, orelhas compridas, bigodes e um rabinho arredondado.

Numa manhã, porém – e era o primeiro domingo de Páscoa – antes ainda do sol raiar, o coelho escutou o chamado matutino: “Nada temei”. Nem todos, porém, escutaram o chamado. O coelho sim, este o ouviu e muito bem, pois dormia sempre com os olhos e ouvidos bem abertos. E o seu coração encheu-se de alegria e contentamento, de alegria e coragem. Por que ele era tão medroso?

Foi então que um passarinho veio voando e pousou bem pertinho de onde o coelho estava. Quando o coelho farejou que havia alguém desconhecido ali, começou a tremer de medo. Quem seria? Talvez um animal perigoso…

Mas o passarinho queria encontrar um novo amigo e gostou muito do jeito daquele coelho! Levou raminhos e folhas para brincarem com elas, galhinhos e minhocas, mas nada do coelho parar de tremer. Mal conseguia se mexer! Quando o passarinho olhou nos olhos do coelho, viu o medo que ele sentia e resolveu se afastar, para que ele não sentisse mais tanto pavor.

Aconteceu assim, naquele primeiro dia de Páscoa. A noite chegou e a lua surgiu grande no céu. O coelho tinha os olhos bem abertos e os ouvidos atentos. Ouviu então o chamado do anjo, que voava pelo mundo e dizia; “nada temei”. No mesmo instante, levantou-se o coelho num pulo e correu, o mais que as pernas permitiam – correu e alcançou o anjo. E o anjo perguntou: “Querido coelho, o que queres de mim?”

-“Oh, dê-me de presente um coração corajoso”, pediu o coelho. Nisto o anjo chamou um outro anjo, o qual trazia numa bandeja de prata alguns pãezinhos – o pão da Páscoa. E foi permitido ao coelho comer um dos cheirosos pãezinhos. Com isso, ficou o seu coração alegre, forte e valente.

– “Venha então junto comigo até os homens”, disse-lhe o anjo, “queremos anunciar-lhes a Páscoa”. Assim, o coelho se tornou o coelhinho da Páscoa. Depois, viveu entre os animais, em campos e florestas. Lá andava às soltas, brincando com coelhos e com outros animais. Especialmente com um passarinho que gostava de ter amigos!

Seu coração se tornou corajoso e cheio de alegria. Continuava, porém, ainda com olhos vigilantes e ouvidos bem abertos. Aliás, foi assim que ouviu o chamado do anjo. Agora ele fica sempre atento para preparar-se para a Páscoa, pois o que mais gosta nessa vida é ser o coelho da Páscoa.

Muitas aventuras vive agora o coelho, cujo coração se tornou valente desde que comeu o pão da Páscoa!

 

 

2 thoughts on “Uma história para a Páscoa

    1. Que maravilha, Huga Magali! Depois quero saber como foi! Abraços

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *